2012/12/22 Dom Roberto – Teatro de Marionetas

Nesta iniciativa Cedofeita Viva – ISCET, trouxemos o Teatro de Marionetas do Porto à Rua de Cedofeita, na manhã de 22 de dezembro – um evento com o apoio da ACECE e Câmara Municipal do Porto. A peça “Dom Roberto” é bem conhecida e repetida no teatro tradicional português de marionetas, que é sempre bom rever.
O Dom Roberto é provavelmente o mais ocidental dos descendentes de Pulcinella. Terá sido introduzido em Portugal pela mão de bonecreiros italianos e franceses no séc. XVII. Ao contrário dos parentes europeus, não tem um tipo físico determinado, o que permitiu em Portugal a generalização do termo robertos, a todos os fantoches de luva. Popularizou-se muito por ser instrumentalizado para protesto e crítica social. Uma das características que o distingue de todos os outros fantoches de luva europeus, é o facto de todas as suas personagens falarem com voz de “palheta”, instrumento que o bonecreiro coloca na garganta para amplificar e distorcer o som da voz – neste caso, a Sara. Um espetáculo de qualidade, que divertiu os mais velhos e os mais novos!

2012/12/19 Natal d’Outros Tempos

No ISCET decorreu um evento de Natal, que começou por uma pequena venda de produtos artesanais, em que participaram alguns comerciantes locais, entre outros. Seguiu-se o prato forte da iniciativa – a palestra do Dr. Jorge Pinto, coordenador do projeto CHIP, que interveio perante um auditório cheio sobre como era o Natal no séc. XIX na cidade do Porto, na sequência de uma investigação do CHIP. Após a palestra, atuou o excelente coro Mille Voci, interpretando temas de Natal. Finalmente, a oportunidade de provar doces natalícios, tradicionais no Porto, de que há registos documentais serem já populares no séc. XIX…

2012/12/08 Cedofeita Tradicional

Foi feriado, 8 de dezembro, mas nem por isso a rua de Cedofeita deixou de ter lojas abertas e muita gente a passar. Quem por lá passou pôde ver mais um evento Cedofeita Viva: a celebração dos jogos tradicionais bem conhecidos em Portugal – a macaca, as corridas de sacos, damas… mas também de Cabo Verde. As pessoas foram convidadas a participar – crianças e graúdos. A ACECE garantiu refeições tradicionais a preços económicos. E não faltou a música: atuou o Rancho Típico de São Mamede, e os estudantes também dançaram.